A Paz do Senhor Jesus!

A Paz do Senhor Jesus! Seja bem vindo. Assista nossos vídeos:



Loading...

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Amor incondicional


A história de um amor que superou todas as barreiras. Esta é a história de Adolfo Celso Guide, engenheiro mecânico e gerente de uma concessionária que abandonou tudo para poder cuidar do filho que sofria de uma doença rara e degenerativa. Para a medicina a doença de seu filho, além de difícil de ser diagnosticada, o diagnóstico só ocorreu em Buenos Aires, era uma doença incurável. Este prognóstico médico dava ao seu filho, na época com quatro anos, poucos meses de vida, pois não era conhecido qualquer tratamento que ao menos desse sobrevida à criança.

Diante da possibilidade de perder o seu filho Vitor, o senhor Guide passou a freqüentar a biblioteca da falculdade da Universidade Federal do Paraná no setor de saúde.

Em meio aos livros ele clamou a Deus por uma resposta, como ele mesmo relata:

“- Deus por que tudo isso? Não justifica estar tanto tempo aqui sem nada! E aí uma voz falou dentro de mim:

-Pega esse livro!

Eu pequei o livro e ali tinha a descrição da doença!"



"A gangliosidose impede a reprodução de neurônios, que degeneram. Por meio de um processo homeopático, que funciona como um antídoto de veneno de cobra, a gente fornece essa enzima e o organismo trabalha", explicou o pai, que encontrou a fórmula de um medicamento para o filho em 2001.

Para conseguir isso, Guidi relata que gastou por volta, na época, de US$ 80 mil dólares e deixou de pagar as prestações de sua casa. "Tudo saiu do meu bolso, não pude mais pagar nada e minha casa foi a leilão", afirmou.

O processo da Caixa Econômica Federal, financiadora da casa, contra Guidi teve início em 2001. Depois de vários recursos, o caso caiu nas mãos --abençoadas, segundo o pai-- da juíza federal Anne Karina Costa, 39, da Vara do Sistema Financeiro de Habitação de Curitiba (PR).

"O caso já estava transitando em julgado e íamos fazer a liquidação, de acordo com a decisão judicial. Caso ele não pagasse o valor acordado, ele teria que sair do imóvel. Então, durante uma audiência de conciliação ele disse que queria explicar o motivo de não ter pago a dívida e contou a história do filho dele.

O banco reduziu a dívida de Guidi de R$ 119.500 para R$ 48.500. Mesmo assim, ele não tinha possibilidade de pagar. "A única renda que eu tenho, vem do trabalho que faço quando dá tempo, na oficina mecânica que eu montei na minha casa", relata o engenheiro.

Mãe de três filhos, sensibilizada com a história de Guidi, Anne --que já foi juíza da Vara Criminal-- lembrou do fundo que a Justiça mantém com as penas pecuniárias. "Fiz uma solicitação para a juíza da 1ª Vara Criminal, Sandra Regina Soares, que é responsável pelo fundo, e para o Ministério Público Federal. O dinheiro arrecadado com as penas vão para entidades assistenciais, eu tive a ideia de inscrever Guidi como um projeto", afirmou a juíza.

Em uma decisão, que ao que parece a Anne é inédita no Brasil, o Ministério Público e a Vara Criminal autorizaram que o fundo fosse utilizado para o pagamento da dívida de Guidi com a Caixa. "O que eu fiz foi algo que estava dentro da minha possibilidade. Eu me coloquei no lugar dele e ele optou pelo filho. Não teria como exigir dele outra atitude. Além disso, se retirássemos a casa, acabaríamos também com a única fonte de renda dele", disse a juíza.

Maria Teresa Maffia, 51, conciliadora da Caixa que atuou no caso, também diz que nunca ouviu falar de uma decisão como essa. “Na última audiência, todos nós ficamos muito emocionados. Nós não sabíamos dessa possibilidade de encaminhar o caso de uma pessoa física como um projeto", disse.
A juíza diz esperar que a decisão se repita e sensibilize as instituições financeiras. "Foi uma decisão judicial que abre precedentes para outros casos. Espero que as instituições, um dia, possam perdoar a dívida em casos excepcionais como esse".

Guidi cuida do filho sozinho, há três anos ele se separou da mulher. "Ela ficou mais doente que meu filho e eu não percebi. Até hoje ela não saiu da depressão. Se eu pudesse voltar atrás, teria agido de outra forma, mas, na época minha decisão era salvar a vida do meu filho e eu tinha muito trabalho", afirmou Guidi.

Hoje, o engenheiro auxilia outras crianças que têm a mesma doença do Vitor que já está com 21 anos. "Com a enzima produzida na farmácia de manipulação e com a alimentação que eu pesquisei e preparo para meu filho todos os dias, ele está muito melhor. Ele não tem mais dificuldades de engolir e a musculatura não é mais contraída como antes".

Vitor só caminha com auxílio, por isso usa uma cadeira de rodas. Ele freqüenta a escola de educação especial 29 de Março, onde Guidi é tesoureiro e voluntário.

Para Guidi, sua história é uma "grande obra de Deus". "Eu sempre soube que não ia perder minha casa. Foi Deus quem colocou a juíza Anne e a Teresa da Caixa na minha vida. Se eu fosse para a rua, ninguém cuidaria do meu filho".


No vídeo Amor incondicional disponível no YOUTube (veja link abaixo) seu Guidi relata: “Eu pedi a Deus que deixasse ele vivo! E com isso eu cuidaria dele!. Então eu tenho esse compromisso com Deus, de cuidar, então esse é o meu papel! O pai dá a vida pelo filho!”


Trechos baseados na matéria de Juliana Granjeia: Homem contrai dívidas para estudar doença do filho, e Justiça evita despejo em Curitiba da Folha Online de 19/06/2010. Veja também o vídeo "Amor incondicional" no link: http://www.youtube.com/watch?v=y64M-WbbBTs



Quando Deus tem uma obra na vida do homem Deus coloca o oásis no deserto. Água brota da rocha ao toque de um cajado. Portas se abrem onde não parecia haver saída. Campos verdejantes saltam aos nossos olhos.

 Podemos já ouvir a voz do bom pastor. Um novo mundo nos surpreende! Quão belos são os caminhos do Senhor! Eternas são as suas obras. Nosso Deus é aquele que transforma a maldição em benção!!! Podemos descansar aos seus pés. Podemos chamá-lo: Raboni!!! Que quer dizer mestre. Quão maravilhoso é poder ouvir a Sua voz. O seu cuidado e afago. 

Clame a Ele sinceramente! Somente ao Pai e em nome de Jesus: ele é "O caminho, a verdade e a vida" João 14:6b. O único caminho para o coração do Pai. O único que era, é e sempre será puro e verdadeiro, que não mente nem se arrepende. O único pelo qual temos vida e Vida Eterna. Descanse em seus braços e clame do fundo de seu coração ao Pai em nome de Jesus e Ele responderá ao pedido de teu coração segundo a sua perfeita vontade.