A Paz do Senhor Jesus!

A Paz do Senhor Jesus! Seja bem vindo. Assista nossos vídeos:



Loading...

sábado, 26 de maio de 2012

O plano mais ambicioso da história


"A medida que desenvolve sua consciência, todo ser humano quer saber qual é o sentido da vida. Procuramos esse sentido nos diplomas, nas riquezas, nos projetos filantrópicos, no bem estar social. Como andarilhos nesta complexa existência, frequentemente indagamos: Quem somos? Por que existimos? Contudo, não poucas vezes, quanto mais procuramos nossas respostas, mais expandimos nossas dúvidas.
O ser humano é uma pergunta que por dezenas de anos busca uma resposta. Aqueles que não se perturbam diante dos mistérios que cercam a vida ou estão entorpecidos pelo sistema social ou nunca usaram com profundidade a arte de pensar. Trabalhamos, amamos, planejamos o futuro, mas não percebemos que somos músculos prontos inseridos no espaço.
Olhe para a lua e imagine-se pisando em um solo. Perceba o quanto somos pequenos. Temos a impressão de sermos os donos do mundo e entender tudo. Ledo engano! Não somos donos de nada, nem da vida que pulsa em nossas células. Não entendemos quase nada. Em qualquer área, a ciência produziu conhecimento que possuímos pode se tornar um véu que encobre a nossa ignorância.
Temos por exemplo a química. Conhecemos a matéria, as moléculas, os átomos, a partículas subatômicas, ondas eletromagnéticas. O que conhecemos depois disso? Muito pouco, embora ainda haja uma escala infinita de conhecimento. Atados ao tempo e ao espaço, queremos entender o mundo, e mal sabemos explicar quem somos.
Houve um homem que via o mundo além do tempo e do espaço. Era de uma estatura mediana como qualquer um se nós, mas naquele homem se concentrava a força cradora do universo  e de tudo o que tem vida, e toda a energia cósmica. Esse homem foi Jesus Cristo, o Mestre dos Mestres.
Um dia, quando os fariseus debatiam com o mestre, ele disse algo que ninguém em plena sanidade mental teria coragem de dizer. Afirmou que sabia de onde tinha vindo e é para onde ia (João 8:14). Nenhum de nós sabe de onde veio e para onde vai, a não ser que use a fé. A fé é ausência de dúvida. No entanto, se usarmos exclusivamente a razão, somos obrigados a confessar que a dúvida é a mais íntima companheira de nossa existência.
Como Jesus Cristo podia afirmar que sabia de onde vinha e para onde ia? São impressionantes os paradoxos que o cercam. Ao mesmo tempo que previa a sua morte, afirmava que já existia antes desta curta existência e depois dela continuaria existindo. Ao ser preso, todos os seus amigos o abandonaram. Ao ser crucificado, seus amigos e inimigos pensaram que ele havia mergulhado no caos da morte. Mas, ao contrário da lógica, ele sabia para onde ia. Declarava que ia para além de um túmulo fechado, escuro e úmido.
Somos exclusivistas; Jesus desejava incluir. Sua missão era surpreendente. Ele não veio para fundar uma nova escola de dogmas e ideias. Seu plano era infinitamente maior. Veio introduzir o ser humano na eternidade, trazê-lo de volta para o Autor da Vida e dar-lhe o seu Espírito. Como faria isso? Vamos procurar entender passo a passo.
Se há livros misteriosos, repletos de palavras e situações enigmáticas são os evangelhos. Nos textos desses livros há indicação clara de que o nascimento, o crescimento, o anonimato, a profissão e a missão de Jesus foram estritamente planejados.
Nada foi ao acaso. Esse planejamento fica claro no texto em que Mateus descreve o precursor de Jesus, aquele que foi encarregado de apresentá-lo ao mundo. (Mateus 3:4) O evangelista diz que João Batista veio propositadamente como um homem estranho, com vestes, moradia e alimentação incomuns. João vestia pele de camelo, comia gafanhotos e mel silvestre e morava no deserto. Nada mais estranho. Convenhamos que nenhum arauto de um rei teria tal comportamento.
Jesus perguntou aos fariseus sobre o precursor: “O que esperavam? Um homem com vetes finas?”E continua afirmando que os que têm vestes finas habitam em palácios, enquanto que ele e João Batista optaram por uma vida sem privilégios sociais. Eram simples por fora, mas ricos por dentro.
O Autor da vida não queria que as pessoas se dobrassem aos seus pés pelo seu poder, mas pelo seu amor. Os seres humanos sempre se deixaram fascinar mais pelo poder financeiro e político do que pelo amor. Mas Jesus, que podia ter o mundo aos seus pés se usasse seu poder, preferiu ser amado a ser temido. Por incrível que parece, o Todo-Poderoso veio procurar amigos, e não escravos, por isso veio pessoalmente conviver com as mais diferentes pessoas. Quantos de nós, ao conquistar mais poder, perdemos os amigos?
Segundo os textos dos evangelhos, Deus tem plena conciência de todas as necessidades humanas. Cada dor, angústia ou aflição toca sua emoção. Ele nunca foi indiferente ao pranto dos pais que perderam seus filhos. Está presente em cada lágrima derramada, em cada momento de desespero. Penetra em todos os seus momentos de solidão e de descrença da vida.
Certa vez, ao ver uma viúva da cidade de Naim que perdera seu único filho, Jesus ficou profundamente sensibilizado (Lucas 7:11). Ela não precisou lhe dizer nada sobre a sua solidão. Ele ficou tão emocionado com sua dor, que fez um milagre sem que ela lhe pedisse.
Apesar de saber de todas as coisas, Deus não intervém na humanidade da forma como gostaríamos e como Ele desejaria intervir. Caso contrário, passaria por cima dos seus próprios princípios. Transgrediria a liberdade que dá aos seres humanos de seguirem seus destinos na pequena bolha do tempo.
Observem o comportamento de Jesus enquanto caminhava na Judeia e na Galiléia. Ele não presionava ninguém para segui-lo, nem mesmo usava seus milagres para subjugar qualquer pessoa. Somente isso explica por que não impediu Pedro de negá-lo, nem Judas de traí-lo. Comunicou o que iria acontecer e não fez nada para mudar a disposição dos dois. Nunca alguém honrou tanto a liberdade humana. Falamos em liberade nos tratados de direito e de filosofia, mas pouco sabemos sobre ela.
Deus não poderia dar àqueles que criou à sua imagem e semelhança menos  liberdade do que dá para si mesmo. O Autor da vida sempre respeitou a liberdade de suas cristuras porque sempre respeitou a sua própria.
Às vezes, as pessoas andam por caminhos desconhecidos, por trajetórias acidentadas. Essas trajetórias geram a necessidade de milhares de diálogos entre elas e Deus e, por fim, tal comunicação, em forma de oração e de meditação, se torna um relacionamento íntimo e efetivo entre Deus e o ser humano. O Mestre da Vida suportou todo o seu sacrifício para gerar pessoas livres e felizes, e não máquinas humanas controladas por ele.
Um dia as crianças que morreram na mais tenra infância conquistarão uma personalidade: construirão ideias, sentirão, decidirão, terão uma história. Jesus mesmo disse que o reino dos céus era das crianças, referindo-se não apenas às de pouca idade, mas também às pessoas que não se diplomam na vida, que não se contaminam com a auto-suficiência nem se consideram prontas (Mateus 18:3).
Por outro lado, os homens o julgaram e o odiaram injustamente; por outro, ele planejou cada passo do seu julgamento e morte. Com precisão cirúrgica, traçou todos os passos de sua vida. Por incrível que pareça, nada escapou ao seu controle. Disse claramente a Pilatos que tinha vindo à terra com propósito específico. Era um mestre e um maestro da vida. Enquanto traçava o seu plano, afinava a emoção dos que o cercavam e os ensinava a viver.
Toda pessoa que quer brilhar em sua história necessita ser empreendedora, criativa, ter uma dose de ousadia e possuir metas bem elaboradas. A criatividade e a ousadia de Jesus para cumprir suas metas eram fascinantes. Planejou morrer pela humanidade de um modo específico e num tempo determinado. Amou apaixonadamente uma espécie que conhecia mal a linguagem do amor.
Aos olhos dos filósofos, dos pensadores humanistas, dos cientistas sociais e até do senso comum, é incompreensível a morte de Jesus. Porém, se sairmos da bolha do tempo, do sistema social em que vivemos e das preocupações da existência que ocupam nossa mente, compreenderemos a intenção do mestre da Vida. Perceberemos que ele foi o maior empreendedor de que se tem notícia.
Como já dissemos, Jesus Cristo não veio inaugurar uma nova escola do pensamento, novos rituais espirituais, nem ditar regras de comportamento, embora estabelecesse nobilíssimos princípios de conduta. Seu plano incluía todos os homens e todas as mulheres de todas as religiões. Os judeus, os islamitas, os budistas, os hinduístas, os sufistas, os negros, os brancos, os amarelos, os ricos, os miseráveis, as prostitutas, os puritanos, os doentes, os sadios, enfim, todos os seres humanos de qualquer época e cultura estão incluídos no seu projeto.
O Criador, através de seu filho unigênito, quis dar aos mortais uma longevidade que a medicina jamais sonhou. Quis estabelecer uma justiça que os fóruns do mundo inteiro jamais imaginariam que existisse. O mais justo e dócil dos homens veio sangrar por nós e causar a maior revolução da história da humanidade. Que plano fenomenal!
Apesar do plano de Deus ser inigualável, temos de indagar: se há um criador com infinita sabedoria, por que Ele não arrumou um modo mais fácil de resgatar a humanidade? Porque o filho do Altíssimo precisou nascer num estábulo, levar uma vida simples, dormir ao relento, ser torturado, ter seu corpo açoitado,ser humilhado publicamente e, por fim, morer lenta e dramaticamente cravado numa trave de madeira?
Para entender a essas perguntas temos de ler inúmeras vezes suas biografias e, tanto quanto possível, nos esvaziar de nossos preconceitos para enxergar o problema da humanidade com os olhos do mestre.
O problema está ligado a dois pontos fundamentais da existência  do ser humano: a debilidade física do corpo e a incapacidade de gerenciar pensamentos e emoções. Vamos entender melhor..."

CURY, Augusto. O Mestre da Vida. Jesus o maior semeador de alegria, liberdade e esperança. Análise da Inteligência de Cristo,  Cap. 10 pág. 138-144, Ed. Sextante, Rio de Janeiro, 2006.

sábado, 19 de maio de 2012

Sua Bíblia - Leia-a Todos Os Dias 2



"O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão." - Mateus 24:35 NVI


Vamos ver novamente o que alguns dos líderes mais notáveis da história disseram sobre a Bíblia. Napoleão: "Que felicidade a Bíblia proporciona àqueles que creem nela! Que maravilhas ela concede àqueles que nela refletem!" Daniel Webster: "Não existe outra base sólida para a civilização além da Palavra de Deus. Se obedecermos aos princípios ensinados na Bíblia, nosso país continuará a prosperar. Adotei a prática de ler a Bíblia inteira uma vez por ano". William Lyon Phelps, que ficou conhecido como o professor mais amado dos Estados Unidos na Universidade de Yale: "Creio firmemente na importância do ensino universitário tanto para homens quanto para mulheres, mas creio que o conhecimento bíblico sem um curso universitário é mais valioso que um curso universitário sem o conhecimento bíblico". SirWilliam Jones:"A Bíblia contém a mais pura sensibilidade, a mais estonteante beleza, maior pureza moral, mais histórias importantes, e mais melodia poética e eloqüência do que todos os escritos que se pode recolher em todos os outros livros de qualquer era ou idioma já escritos". Robert E. Lee: "A Bíblia é um livro, em comparação ao qual todos os outros se tornam de menor importância. Em todas as minhas perplexidades e angústias, ela nunca deixou de me dar luz e força". Jean-Jacques Rousseau: "A majestade das Escrituras me alcança com admiração, à medida que a pureza do evangelho exerce a sua influência sobre o meu coração. Estudo as obras de outros filósofos com toda a sua pompa e retórica, e vejo o quanto são pobres, o quanto são insignificantes se comparadas com as Escrituras". Sua Bíblia - leia-a todos os dias.

Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio. 

Sua Bíblia - Leia-a Todos Os Dias 1


“A Palavra do Senhor permanece para sempre ...”  1 Pedro 1:25 NVI

Vamos ver o que alguns dos líderes mais notáveis da história disseram sobre a Bíblia. William Gladstone, primeiro-ministro do Reino Unido: "Apenas uma coisa importa realmente: como colocar as verdades da Palavra de Deus em contato vital com a mente e o coração de todas as classes de pessoas". Goethe: "Considero os evangelhos inteiramente genuínos; porque eles refletem de forma eficaz a sublimidade que emanava da pessoa de Cristo. Isso é tão divino quanto o fato de um dia o próprio Deus ter vindo à Terra" Presidente Ulysses S. Grant "Segure com firmeza a Bíblia como a âncora da sua liberdade. Escreva os seus preceitos no seu coração e pratique-os em sua vida. Devemos todo o nosso progresso à influência desse livro e devemos olhar para ele como nosso guia para o futuro". Presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson: "O homem que se privou de ler este livro, privou-se do melhor que há no mundo: o conhecimento da Bíblia. Uma vez que você a tenha lido, saberá que é a Palavra de Deus, pois descobrirá nela a chave para o seu próprio coração, para a sua própria felicidade e para o seu próprio dever". Presidente Abraham Lincoln: "Só tenho a dizer que este é o melhor presente que Deus um dia deu ao homem". Assim como a Lei da gravidade, a Bíblia jamais se tornará ultrapassada. O poeta e abolicionista John Whittier escreveu: "Retornamos da nossa busca por conhecimento esgotados, e descobrimos que tudo o que os sábios disseram está no livro que as nossas mães liam". Sua Bíblia - leia-a todos os dias.

Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio. 

Raabe 2



"'Eu sei os planos que tenho para vocês; diz o Senhor. 'Eles são planos para o bem ... '" -Jeremias 29:11 NLT

Enquanto todos os outros estavam se preparando para lutar, ela estava se preparando para se render. De alguma forma, Raabe tinha ouvido falar sobre as coisas que Deus havia feito por Israel; como Ele havia transformado o Mar Vermelho em um tapete vermelho, convertido rochas em fontes de águas, preparado o café da manhã para eles todas as manhãs no deserto e secado as águas do Rio Jordão. Raabe pode não ter sido sábia no que se refere ao seu corpo, mas foi mais sábia do que todos os outros na cidade no que se refere à sua alma. Ela não tinha a intenção de lutar contra Deus, porque sabia que essa é uma luta que não se pode vencer. Para ela, o caminho para a vitória era a rendição! E esse é o caminho certo para você também. Basta parar de tentar "assumir o volante" e entregar sua vida a Cristo - Ele o levará a lugares e bênçãos com os quais você sempre sonhou, pelos quais sempre ansiou, mas não sabia como chegar até eles. Deus tinha um grande futuro para Raabe. Ele planejou fazer dela uma progenitora do Rei Davi, e também do nosso bendito Senhor Jesus. Que tal essa reciclagem? E Deus, que ama tanto os que estão por cima quanto os que estão por baixo, fará o mesmo por você, independentemente da condição espiritual em que esteja hoje. Leia isto: "'Porque eu sei os planos que tenho para vocês', diz o Senhor. 'Eles são pensamentos para o bem e não para desastre, para Ihes dar um futuro e uma esperança. Nesses dias, quando vocês orarem, Eu ouvirei. Se vocês me buscarem de todo o coração, vocês me acharão ... porei fim ao cativeiro de vocês e restaurarei a sua sorte'" (Jr 29:11-14 N LT). 


Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio. 

Raabe 1


“Pela fé Raabe, a meretriz, não pereceu...” - Hebreus 11:31 NKJV

Ela vivia em uma civilização condenada. Deus disse a Abraão: "E te darei a ti e à tua descendência ... toda a terra de Canaã ... " (Gn 17:8 NKJ\I). Como Raabe morava na "muralha" de Jericó, de certa forma ela vivia "no limiar da condenação". E nós também. Hoje os líderes estão lutando para impedir a disseminação das armas nucleares porque nas mãos erradas elas têm o poder de destruir o mundo. A Bíblia fala de um cavaleiro em um cavalo vermelho com uma arma com um potencial de destruição tão grande que poderia remover a paz da terra (Ap 6:4). Sería um dispositivo nuclear? Pedro escreve: "Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus ... " (2 Pe 3:10-12 NKJV). Devemos ficar assustados? Não, os espasmos mortais desta velha ordem são apenas as dores de parto de uma nova. "Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que Dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz" (2 Pe 3: 13-14 NKJV). O que Deus preparou para o Seu povo redimido é tremendo!

Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio.  

Canas e Pavios



"Não esmagará a cana quebrada, e não apagará o pavio que fumega .. ." - Mateus 12:20 NKJV





Canas. Poucas coisas são mais frágeis do que uma cana quebrada. Nos dias de Cristo, as crianças que brincavam ao lado do rio faziam flautas com elas. Elas as esvaziavam para que ficassem ocas e faziam buracos nelas. Mas, depois, elas eram quebradas e descartadas. Talvez um dia você tenha sido alto e forte, estava enraizado no leito do rio e era alimentado por ele. Mas agora você está escondido nos arbustos, ferido por palavras ásperas, pela traição de um cônjuge, pelo seu próprio fracasso ou por uma severa religiosidade. Pavios. Nada está mais perto da extinção do que um pavio que fumega. Quando o óleo das lâmpadas primitivas acabava e o pavio queimava, ele se extinguia, era jogado fora como algo inútil e era substituído. Você um dia ardeu cheio de fé, iluminando o caminho para outros até que os ventos gelados da crítica, da falta de perdão e do julgamento o deixaram em trevas? O que estas pessoas têm em comum: uma mulher tremendo diante de uma multidão enfurecida ameaçando apedrejá-Ia; uma casa cheia de pessoas e um paralítico em uma maca e seus amigos determinados a levá-Ia até Cristo; um cego clamando por sua vista e discípulos mandando-o se calar? Todos são canas quebradas e pavios que fumegam dos quais Jesus se recusou a desistir. O mundo acha que sabe o que fazer com você - quebrá-Ia e apagá-Ia! Mas Jesus não: "Ele não esmaga o fraco, nem apagará a menor esperança que houver" (Mt 12:20 ABV). Por pior que se sinta hoje, você não está fora do alcance da graça de Deus. Venha, Ele vai tratá-Ia com carinho. Ele vai curar você.

Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio. 

Cristo - Não Há Ninguém Como Ele!




"Então, Jesus aproximou-se deles e disse: 'Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra:" - Mateus 28:18 NVI


Billy Graham disse: "A Bíblia foca apenas de maneira incidental a história de Israel ou um sistema ético. Seu principal foco é a história da redenção, como ela é em Jesus Cristo. Se você ler as Escrituras sem prestar atenção na história da salvação, você deixou passar sua mensagem e seu significado. Alguns passaram pela Bíblia e seguiram o rastro da história de Jesus: em Gênesis, Ele é a semente da mulher. Em Êxodo, Ele é o Cordeiro Pascoal. Em Levítico, Ele é o Sacrifício da Expiação. Em Números, Ele é a Rocha que foi ferida. Em Deuteronômio, Ele é o Profeta Maior. Em Josué, Ele é o Capitão do Exército do Senhor. Em Juízes, Ele é o libertador. Em Reis, Ele é o Rei Prometido. Em Neemias, Ele é o Restaurador da Nação. Em Ester, Ele é o Advogado. Em Jó, Ele é o meu Redentor. Em Salmos, Ele é o meu Pastor. Em Provérbios, Ele é o meu Padrão. Em Eclesiastes, Ele é o meu Objetivo. No Cântico dos Cânticos, Ele é Aquele que me Satisfaz. Nos livros dos Profetas, Ele é o meu Príncipe da Paz que Virá. Nos Evangelhos, Ele é Aquele que vem para nos buscar e nos salvar. Em Atos, Ele é o nosso Senhor Ressurreto. Nas Epístolas, Ele é o nosso Representante à direita do Pai. Em Apocalipse, Ele é o nosso Senhor que Voltará'”. Em uma era de "psicologia pop" e teologia eclética, o fundamento da nossa fé ainda é o nascimento virginal de Cristo, Sua vida sem pecado, Sua morte expiatória, Sua ressurreição vitoriosa, Sua obra mediadora, e a Sua volta visível como Rei dos Reis. Cristo - não há ninguém como Ele!

Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio. 

sexta-feira, 18 de maio de 2012

“Ele Mostrou-Ihes as Suas Mãos”


“Jesus ... mostrou-Ihes as Suas mãos ... “ - João 20:19-20 NCV



                                                                     
O Dr. Paul Brand, um cirurgião brilhante que trabalhava no Christian Medical College na cidade de Vellore, na Índia, escreve: "Em meu trabalho posso observar as maravilhas que as mãos são capazes de fazer quase todos os dias ... Mas uma época do ano específica tem um significado especial para mim ... Quando o mundo observa a semana da Páscoa ... reflito sobre as mãos de Jesus ... aquelas mãos que haviam feito tanto bem foram pegas, uma de cada vez, e perfuradas com um cravo grosso ... Os executores romanos perfuraram os pulsos com os cravos, através do túnel do carpa onde ficam os tendões que controlam os dedos e o nervo mediano ... mutilando a mão e dando a ela a forma de uma garra, e Jesus não havia tomado anestesia ... Mais tarde, o peso do Seu corpo pendurado nelas, rasgava ainda mais os tecidos, aumentando o sangramento". Será que alguma vez já houve uma imagem de maior desamparo? Os discípulos, que haviam esperado que ele fosse o Messias, acovardaram-se nas trevas ou se afastaram. Mas esta não é a última vez que vemos as mãos de Jesus. A Bíblia diz: "Ao cair da tarde daquele primeiro dia da semana, estando os discípulos reunidos a portas trancadas, por medo dos judeus, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: 'Paz seja com vocês!'Tendo dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se quando viram o Senhor". O Dr. Brand acrescenta: "Durante o restante do Seu tempo aqui, Jesus escolheu ministrar através das cicatrizes em cada uma de Suas mãos. É por isto que creio que Deus nos ouve e entende a nossa dor ... Ele manteve aquelas cicatrizes como uma imagem permanente da humanidade ferida. Ele sabe como é a vida na Terra porque esteve aqui. Suas mãos provam isso". Portanto, traga as suas feridas a Jesus hoje, e deixe que Ele o cure; corpo, mente e alma. 

Fonte: GASS, Debby et Bob. A palavra para hoje 'Deus quer falar com você hoje'. Igreja Batista do Recreio. Março, Abril e Maio. 

domingo, 13 de maio de 2012

Pergunta: Deus existe?



Profecias bíblicas

O antigo testamento foi escrito em um peródo que vai aproximadamente de 1450 a.C, como o caso do livro de Génesis a cerca do ano de 430 a.C., como no livro de Malaquias. Sendo de inspiração divina um dos mandamentos dados ao povo judeu foi a não adulteração da mensagem passada ao longo de muitas gerações. Havia um zelo muito grande no guardo e transcrição dos manuscritos da Torá que somente era realizado por pessoas e circunstâncias muito controladas.
O antigo testamento foi escrito por diversos homens inspirados por Deus. Uma das maiores provas de que sua inspiração é divina é sua infalibilidade na predição das características da vinda do Messias.
A palavra “Messias” significa “Ungido”, nome dado ao Libertador prometido que viria algum dia ao povo de Israel como seu grande Salvador, Redentor, “ungido” como Profeta, Sacerdote e Rei da parte de Deus.
Uma das características de Deus é sua oniciência e onipotência. Deus TUDO sabe e TUDO pode. Mas Deus em sua infinita sabedoria prefere operar na criação e na vida dos homens segundo seus propósitos e sua palavra. Em Isaías 44:7-8 Ele declara: “Quem há, como eu, feito predições...Que o declare e o exponha perante mim! Que esse anuncie as coisas futuras, as coisas que hão de vir! Não vos assombreis, nem temais; acaso, desde aquele tempo não vo-lo fiz ouvir, não vo-lo anunciei? Vós sois as minhas testemunhas...” .

Profecias Mesiânicas

Quais são os critérios proféticos para que os aspirantes à messianidade se qualifiquem como o Cristo de Deus, o Salvador de toda a humanidade.
“Ele deveria ter nascido em Belém (Mq 5:2); ser da tribo de Judá (Gn 49:10); ser da linhagem do rei Davi (Is 11:1); ter nascido de uma virgem (Is 7:14); realizar milagres (Is 35:4-6); morrer pelos pecados do mundo (Is 53:5,6,10); permanecer três dias e três noites na sepultura (Jn 1:17); resuscitar dentre os mortos (Sl 16:10).”¹

Somente Jesus preenche todos os requisitos

“Daniel nos dá a data exata em que o Messias entraria em Jerusalém para ser proclamado Rei de Israel (Dn 9:25). Zacarias nos conta que Ele viria montado num jumento (Zc 11:12); o traidor seria um amigo (Sl 41:9). Zacaria prediz que Ele ficaria silencioso perante os seus acusadores e seria afligido e cuspido por eles (Is 53:7; Is 50:6). Moises indicou que ele seria crucificado (Dt 21:22-23). O salmista nos fala que a multidão presente á sua crucificação iria escarnecer e zombar dEle, sacudindo suas cabeças à Sua vista (Sl 22:7-8; Sl 109:25); que seus amigos olhariam de longe (Sl 38:11); que soldados lançariam sorte pelas roupas dEle (Sl 22:16-18); que para matar Sua sede Lhe ofereceriam vinagre (Sl 69:21); Suas mãos e seus pés seriam transpassados (Sl 22:16); nenhum de Seus ossos seria quebrado (Sl 34:20); as palavras exatas que Ele diria ao Pai são registradas (Sl 22:1; Sl 31:5).
Zacarias escreve que o Seu lado seria furado (Zc 12:10). Isaías declara que Ele morreria entre ladrões (Is 53:9-12) e que seria sepulatado na sepultura de um homem rico (Is 53:9). Além disso, Isaías nos dá as razões pelas quais o Filho de Deus foi para a cruz: Ele foi ‘...moído pelas nossas iniqüidades’; ‘...o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos’; ‘quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado...’ (Is 53:5,6,10).”¹

Contradição Inconsistente?

“Obviamente teria sido ridículo que Jesus se deixasse crucificar, a fim de convencer um pequeno bando de seguidores incultos e ineptos de que Ele era o Cristo. De fato, nem seus discípulos nem qualquer outro judeu, inclusive João Batista, poderia crer (embora as provas fossem claras, conforme Cristo sempre explicou) que o Messias seria crucificado. Pelo contrário sua morte até pareceu uma prova de que Ele não era o Messias, cumprindo, assim, as profecias referentes à sua crucificação, ao pé da letra, como Ele o fez, não sendo esse o meio de adicionar o que se seguiria. De fato, a morte de Cristo em cumprimento da Sagrada Escritura foi para pagar a penalidade dos nossos pecados.
A profecias referentes à sua morte (Salmo 22:16; Isaías 53:5; 8:10; Zacarias 12:10, etc.) eram evitadas pelos judeus como mistérios impenetráveis, pois pareciam totalmente acidentais em relação a outras profecias declarando claramente que o Messias subiria ao trono de Davi e governaria um reino magnífico. Como poderia o Messias estabelecer um reino de paz sem fim (Isaías 9:7) e ainda ser rejeitado e crucificado pelo seu próprio povo? Parecia impossível. E mesmo quando Jesus explicou esse fato ao correr do tempo, ninguém conseguiu entendê-lo. Mas haveria a ressurreição para abrir os olhos deles.”³

Além de Um Mero Homem

“Sim, houve algumas profecias com as quais Jesus de Nazaré poderia ter conspirado com Judas ou outros para realizar. A maior parte das profecias, contudo, estava além do controle de um mero homem. Por exemplo, nascer em Belém, da semente de Davi, era um dos principais requisitos para o Messias. O tempo do nascimento do Messias, também, conforme profetizado, estava além da influência de qualquer mortal comum. Seu nascimento teria de acontecer antes do "cetro se arredar de Judá" (Gênesis 49:10) enquanto o templo ainda estivesse de pé (Malaquias 3:17), enquanto os registros genealógicos ainda estivessem disponíveis para provar a sua linhagem (2 Samuel 7:12; Salmos 89, etc.) e antes do Templo e Jerusalém serem destruídos (Daniel 9:26). Havia apenas uma estreita faixa de tempo durante a qual o Messias poderia vir... E Ele veio. Como o apóstolo Paulo, um ex-rabino, expôs de maneira eloqüente; "Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei" (Gálatas 4:4). Agora já é tarde demais para que o Messias realize sua primeira vinda. Só pode haver uma segunda vinda, como a Bíblia declara. Mesmo assim os judeus aguardam a primeira vinda do que eles pensarão ser o Messias, mas que na realidade será o Anticristo.
O cetro de Judá foi arredado, desde cerca do ano 7, quando os rabinos perderam o direito de executar a pena de morte. Esse direito era crucial para a prática de sua religião, porque a morte era a penalidade para certas ofensas religiosas. Quando Pilatos disse aos judeus que nada tinha a ver com Jesus, e que eles mesmos o julgassem, os judeus responderam: "A nós não nos é lícito matar ninguém" (João 18:31). O Messias teria de nascer antes que tal poder fosse perdido e teria de morrer logo depois, para não morrer apedrejado, que era o modo de execução dos judeus, enquanto o dos romanos era a crucificação. Incrivelmente sua crucificação fora profetizada séculos antes que este meio de execução fosse conhecido:"Traspassaram-me as mãos e os pés" (Salmos 22:16) .
Obviamente, também, o Messias teria de nascer enquanto ainda existissem os registros genealógicos, ou não haveria prova alguma de que Ele descendesse de Davi. Esses arquivos se perderam com a destruição do Templo em 70 d.C., acontecimento que tanto Daniel como Cristo profetizaram (Mateus 24:2). Desde então seria tarde demais para o Messias vir, embora a maioria dos judeus ainda aguarde o seu primeiro advento. Por outro lado, os cristãos aguardam a segunda vinda, a qual também foi profetizada pelos profetas judeus.”³

Cumprimentos Incríveis

“Se Jesus tivesse conspirado para realizar as profecias, Ele também teria levado Pilatos a condenar os dois ladrões a serem crucificados com Ele, em cumprimento de Isaías 53:9. Ele também teria de saber quais os soldados que estariam de serviço, a fim de os levar a dividir suas vestes e "deitarem sorte sobre sua túnica" (Salmos 22:18), a dar-lhe a beber vinagre misturado com fel (Salmos 69:21), a traspassar seu lado com uma lança (Zacarias 12:10), em vez de lhe quebrar as pernas, como era o costume, mas que não poderia ser feito ao Messias (Êxodo 12:46; Salmos 34:20) .
Onde os rabinos também tomaram parte na conspiração? Foi porque eles pagaram a Judas exatamente 30 moedas de prata pela traição, conforme profetizado em Zacarias, tendo sido esse dinheiro usado para comprar um "campo de oleiro" para sepultar estrangeiros, quando Judas o arremessou aos pés do templo, também profetizado em Zacarias 11:13? ? E por que eles o crucificaram exatamente quando os cordeiros pascais estavam sendo mortos em todo o Israel, em cumprimento de Êxodo 12:6? O cenário da Conspiração de Páscoa se mostra incrivelmente ridículo, quanto mais é examinado.
Onde Jesus iria conseguir dinheiro para pagar a multidão que o acompanhou a Jerusalém, saudando-o como o Messias, quando ele montava um jumento - o último animal que se esperaria fosse escolhido para ser montado por um rei, precisamente como fora profetizado em Zacarias 9:9? Era Nisen 10 (06/04), 32 d.C., o dia exato que os profetas haviam declarado que esse incrível evento iria acontecer - 483 anos até o dia (69 semanas de ano, conforme Daniel 9:25 havia profetizado), em que Neemias, no vigésimo ano do reinado de Artaxerxes Longimanus -(ª C. 465-425), tinha recebido (em Nisan 1, 445 ª C.) autorização para reconstruir Jerusalém (Neemias 2:1)! O cumprimento por Jesus destas e outras profecias messiânicas nos mínimos detalhes não pode ser nem de longe explicado.”³

Corpo Faltando. Túmulo vazio

“Além do mais, se Jesus tivesse tido sucesso na "conspiração" para ser crucificado na data exata daquele tempo que fora profetizado - apesar da determinação dos rabinos ao contrário - (Mateus 26:5; Marcos 14:2),- Jesus ainda teria de ressuscitar dos mortos. Nenhuma "Conspiração de Páscoa", não importa quantos conspiradores estivessem envolvidos, poderia executá-lo. Uma ressurreição de mentira não teria sido suficiente para os seus seguidores propagarem o Cristianismo. Somente se Ele morreu e ressuscitou teriam eles motivo e coragem para proclamar o Seu Evangelho, em face das perseguições e martírios.
Os soldados romanos não dormiam em serviço. Se o tivessem feito enquanto os discípulos furtaram o corpo, eles teriam sido crucificados no dia seguinte, e também assim os discípulos pelo crime de quebrar o selo no túmulo. E se os discípulos tivessem furtado o corpo e de algum modo o mantido em lugar secreto, por que iriam eles morrer por uma mentira? Eles eram tão covardes que nenhum deles teria desejado morrer pelo que haviam crido ser a verdade. Mesmo assim, quase todos eles morreram como mártires, declarando até o fim que eram testemunhas oculares da ressurreição de Jesus. Nenhum deles tentou salvar a própria vida em troca da revelação do lugar onde o corpo havia sido escondido. Simplesmente não existe maneira de explicar um inegável túmulo vazio, exceto pela ressurreição.
O Hinduísmo, o Budismo, o Islamismo e nenhuma outra religião do mundo pode ter a pretensão de afirmar que o seu líder ainda está vivo. Para o Cristianismo, contudo, a ressurreição é o coração do evangelho. Se Cristo não ressuscitou dos mortos, então tudo não passa de uma fraude. Não mandou Jesus os seus discípulos seguirem para as longínquas Sibéria e África do Sul, a fim de pregar a sua ressurreição? Ele os mandou começar por Jerusalém, onde, se Ele não tivesse ressuscitado dos mortos, um pequeno passeio até o túmulo, nos arredores da cidade, teria provado que Ele ainda estava morto. Como os rabinos e o governador romano teriam adorado poder desacreditar o Cristianismo, antes que ele se alastrasse. A maneira mais segura teria sido colocar o corpo de Jesus bem à mostra, só que eles não puderam fazê-lo. O túmulo seriamente guardado, de repente ficou vazio.”³

Entra Paulo de Tarso

“As provas da ressurreição de Jesus são numerosas e irrefutáveis, mas tendo já tratado desse assunto em outro lugar, mencionaremos apenas uma - uma prova sempre visada. Que Cristo realmente ressuscitou dos mortos é a única explicação para o fato de Saulo de Tarso, o maior inimigo do Cristianismo, ter se tornado apóstolo. Um rabino novo e popular, Saulo ia a caminho de grandes honrarias pelo seu papel de liderança em perseguir uma seita aberrante, com detenção, prisão e martírio. Então, de repente ele se tornou um dos cristãos mais desprezados e perseguidos e por causa disso foi detido várias vezes, espancado e aprisionado. Certa ocasião, ele até foi apedrejado e considerado morto. Finalmente foi degolado. Essa incrível reviravolta não faria sentido ... a não ser que...
Por que trocar voluntariamente a popularidade pelo sofrimento e eventual martírio? Paulo explicava ter encontrado o Cristo ressurrecto, e o que havia morrido pelos pecados do mundo estava vivo e se tinha revelado a ele. Esse testemunho, contudo, não foi suficiente em si para provar que Cristo realmente estava vivo. Algo mais seria necessário.
Ninguém poderia duvidar da sinceridade de Paulo. Isso foi demonstrado pelo seu desejo de sofrer e até morrer por Cristo. Uma crença sincera, porém não era prova suficiente de que Cristo realmente estivesse vivo. Seria possível Paulo ter sofrido uma alucinação e simplesmente imaginado que Cristo lhe tinha aparecido e com ele falado e que ainda estava vivo.
Os governadores romanos Felix e Festo, bem como o Rei Agripa escutaram a narração de Paulo sobre o seu encontro sobrenatural e tiveram a certeza de que ele era sincero, mas que estava enganado (Atos 24:26). Essa explicação, contudo, não explica os fatos. A repentina intimidade de Paulo com os ensinos de Cristo fornecem prova suficiente da ressurreição, que jamais poderia ser explicada de outro modo.”³

Evidência Conclusiva

“Paulo, que não havia conhecido Cristo antes dele ser crucificado, de repente se tornou a maior autoridade no que Cristo havia ensinado particularmente dentro do seu círculo de discípulos. Ele devia tê-lo encontrado. Os apóstolos, que haviam sido pessoalmente instruídos por Cristo durante vários anos, tinham de reconhecer que o seu antigo inimigo, Paulo, sem consultar nenhum deles, sabia tudo que Cristo lhes havia ensinado e até tinha "insights" mais seguros do que eles. Quando Paulo repreendeu Pedro por ter errado, este submeteu-se à correção (Gálatas 2:11-14) .
"Recebi do Senhor o que também vos entreguei..." (1 Coríntios 11:23), era como ele iniciava sua explanação à Igreja de Corinto sobre o que acontecera na Última Ceia e o que Cristo havia ensinado aos seus discípulos naquela ocasião. Mesmo que Paulo não tivesse estado presente, ele não consultou nenhum dos que haviam estado lá. "... Não consultei carne e sangue, nem subi a Jerusalém para os que já eram apóstolos antes de mim..." (Gálatas 1:16-17) era o testemunho seguro de Paulo. Que ele tenha se tornado de repente o apóstolo principal e maior autoridade sobre o que Cristo havia ensinado, só poderia ser explicado pelo fato dele ter sido instruído pelo Cristo ressurrecto, exatamente como ele afirmava.
Sem consultar nenhum daqueles que haviam sido discípulos de Cristo durante o seu ministério terreno, Paulo havia se tornado a principal autoridade na doutrina cristã, como todos as igrejas teriam de reconhecer. Ele escreveu a maior parte das Epístolas do Novo Testamento. "Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem. Porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo" (Gálatas 1:11-12) era o testemunho solene de Paulo. Não existe outra explicação se não a de ter Cristo ressuscitado e instruído Paulo pessoalmente.”³

Razão de Confiança

“O cumprimento das profecias acima mencionadas, bem como dezenas de outras sobre a vida, morte e ressurreição de Cristo provam, além de quaisquer dúvidas possíveis, que Ele é o Messias de Israel, o Salvador do mundo. Ninguém pode examinar os fatos e permanecer em dúvida honesta (um descrente honesto). Aqueles que se recusam a crer em face da extraordinária evidência se tornam indesculpáveis.
Tomamos estas poucas páginas para estabelecer a validade da profecia bíblica, com um propósito. Tendo em vista que o que a Bíblia profetizou referente aos eventos do passado se cumpriu com 100% de precisão, temos razão de sobra para crer que o que a Bíblia profetizou com respeito ao futuro do mesmo modo se cumprirá.”³

Probabilidade matemática

Recentemente, estudos da bíblia indicam que há mais de 456 profecias referentes ao Messias. 
Peter Stoner escreveu um artigo em Science Speaks² no qual ele considerava apenas 8 dessas 456 profecias ocorrendo em uma única pessoa simultaneamente, ou seja, qual é a lei da probabilidade de 8 profecias ocorrerem em uma pessoa nos últimos dois anos?
Stoner relata em seu estudo das probabilidades que a chance de uma única pessoa ter cumprido em si mesmo as oito profecias mencionadas acima é de 1 em cada 1017, isto é, 1 em 10 elevado à décima-sétima potência. Isto seria 1 pessoa entre 100.000.000.000.000.000 ( 100 quatrilhões ). Para poder compreender este resultado, Stoner citou o exemplo imaginando alguém tomando uma moeda de um quarto de dólar (vinte e cinco centavos) na qual se faria uma marca. Depois espalharia no Estado do Texas 100 quatrilhões de moedas idênticas o que daria para cobrir toda a área do estado numa altura de 60 cm, mais ou menos. Então, convidamos alguém com os olhos vendados e diríamos a esta pessoa: - agora procure a moeda marcada e traga-a de volta. Qual seria a probabilidade dessa pessoa encontrar esta moeda? Seria a mesma chance que os profetas teriam de em escrever essas oito profecias e ter todas elas cumpridas em um mesmo homem, desde os seus dias, até o tempo presente. Agora, imaginem que Stoner tomasse as 456 profecias mencionadas na Bíblia sobre o messias, como nasceria de uma virgem, seria criado na cidade de Nazaré, seria descendente do tronco de Jessé, etc., etc.? A probabilidade é tão grande, mas tão grande que Jesus é o Messias que está fora do alcance de uma mente humana.
Analisando a profecia continua no livro de Daniel 9:26 que diz que a cidade e ao santuário seriam destruídos pelo príncipe que viria depois de morto o ungido, o Messias de Israel.
Isto, sabemos, ocorreu no ano 70d.C. quando o Templo foi destruído pelo imperador Tito e seus legionários. Lembremos que a genealogia era de suma importância para o povo judeu e por isso, esta genealogia era guardada no Templo, segundo afirma Stan Telchin.Com a destruição do Templo, também se queimaram as genealogias, não permitindo a alguém provar que qualquer homem que se proclamasse o Messias pertenceria à Casa de Israel. E esta seria a prova real necessária para a sua aceitação como o Messias. Pois pelas Escrituras sabemos que o Messias deveria ser da semente de Abraão, Isaque e Jacó, ser da tribo de Judá, da família de Jessé e da Casa de Davi. Então, se ninguém podia provar a sua origem, nenhum Messias poderia ser provado mais. Este raciocínio deixa todos os judeus numa situação incômoda: ou as profecias sobre o Messias são incorretas e por conseguinte falsas; e o conceito de um Messias  na vida do judeu é nada mais do que um mito; e a Bíblia é nada mais do que um livro de estória do povo judeu, cheio de lendas; ou, então, o Messias veio antes do Templo ser destruído.

1 - HUNT, Dave et MACMAHON, T. A. O valor da Profecia. Israel, o Ponteiro no Relógio Mundial de Deus, Ed. Atual, Porto Alegre, 2002.
2 - Moody Press, 1936 – Livro “Traído”- Stan Telchin- Editora CLC -1981
3 - HUNT, Dave. "A Woman Rides the Beast" tradução de Mary Schultze.


Outros documentos históricos

Assista: